“Biológico com amor”

“Biológico com amor”
A nossa admiração pela Quinta do Arneiro vem de longe. É para nós o exemplo mais inspirador do que de melhor se faz (em Portugal e no mundo) na área do biológico.
.
.
.
.
Em casa, somos fregueses do cabaz há já um par de anos. E posso dizer-vos que, além de ser um dos momentos mais felizes da semana receber um pedaço colorido e fresco de horta em casa, foi também um dos passos mais importantes na minha caminhada de redução de desperdício – um dos primeiros passos, aliás. Este gesto permitiu-me ter acesso semanal ao melhor do campo e da natureza, produzido com total respeito pela terra, em modo biológico, certificado, e sem embalagens inúteis. Pude acompanhar o esforço enorme (que implicou investimento, mudanças logísticas e tempo) para mudar a forma de acondicionar os produtos, eliminando o plástico da equação e optando pelo papel e por materiais 100% compostáveis.
.
.
.
.
Receber em casa o cabaz da Quinta do Arneiro é também ficar a conhecer as pessoas que nela trabalham e que nela encontram o seu sustento, as que plantam, semeiam, cultivam; as que regam; as que colhem; as que lavam; as que preparam e acondicionam; as que transportam;… e tantos mais, que entram na nossa vida através desta caixa de madeira. É conhecer o Eduardo, o rosto da entrega dos cabazes na minha zona, e o seu sorriso, abrir a porta e perceber que sabe o nosso nome e o nome de todos lá em casa. É, num certo sentido, construir uma família de afetos que nos passa a ligar a Mafra.
.
.
.
.
E, claro, receber em casa o cabaz da Quinta do Arneiro é receber o amor (tão bem representado naquele coração pintado na madeira) da Luísa e da sua equipa. Porque falar da Quinta do Arneiro é, sem dúvida, falar desta (super)mulher e do seu sonho:
.
.
“Em 2007 depois de uma daquelas voltas que a vida dá, deixei uma livraria que tinha há 14 anos para me vir dedicar a 100% à agricultura.  Já há muito tempo que pensava que se fosse  eu a gerir a quinta “ as coisas “ teriam que mudar. Primeiro era essencial ir convertendo a Quinta aos poucos e poucos, transformando-a numa Quinta em modo de produção biológico. O respeito pela natureza quando dependemos em exclusivo da sua generosidade é um dado óbvio. É impossível termos alguém como parceiro por muito tempo, se não o tratarmos com respeito. E que parceria pode ser mais intensa do que a do  agricultor com a natureza? Segundo, era ponto assente que tínhamos que chegar aos consumidores dos nossos produtos sem intermediários. Nesta atividade o agricultor é, cada vez mais, o elo mais fraco porque a distância entre quem consome e quem produz é dia a dia maior. De onde vem esta alface, como foi produzida, como é que chegou a mim? São perguntas que ninguém faz. O nosso principal objetivo: que os nossos clientes passem a saber de onde veio aquela alface e se possível quanto tempo demorou a crescer, qual a época da maçã, das couves ou do tomate.”
.
.
Revemo-nos totalmente nestas palavras. E foi exatamente por nos identificarmos com os valores e com a missão da Quinta que decidimos levar lá a nossa equipa, no ano passado, no dia da Terra. Um momento de formação e de inspiração.
.
.
.
.
Fomos recebidos pela Luísa, a alma do projeto, que nos contou a história da Quinta, nos mostrou os recantos da casa e nos falou com paixão da sua equipa e da sua missão pedagógica. Percorremos juntos os campos, as estufas e terminámos no Restaurante, para nos deliciarmos uma refeição (feita pelo Chef naquela cozinha extraordinária) com os sabores da estação, da horta para o prato.
.
.
.
.
.
.
A Quinta do Arneiro é, sem dúvida, um projeto ultrapassa largamente as fronteiras físicas dos seus 18 ha, que incluem a Casa, a Mercearia, a Academia, o Restaurante, os armazéns… É verdadeiramente uma missão que acolhe (amigos, parceiros, clientes, fornecedores, empresas, escolas,…) e que chega a cada vez mais pessoas para lhes transformar a vida. A inscrição “biológico com amor” é aqui muito mais do que um slogan. Este amor está de facto em todos os detalhes e conta uma história de afetos e de ligação à terra. Uma casa que é um longo abraço a quem a visita. Um respeito enorme por quem trabalha a terra e dela depende. A paciência de quem sabe aguardar o compasso das estações e aguentar os caprichos do tempo. A sabedoria de quem vê nas adversidades da natureza e da vida oportunidades e formas criativas de renovação.
.
.
E porque gostamos de partilhar projetos que nos inspiram e em que acreditamos, decidimos juntar-nos para oferecer aos nossos queridos fregueses a oportunidade de receber com um desconto de 5% e 10% o cabaz da Quinta (30 € e 50€, respetivamente). Quem nos visitar a partir de 25 de março e efetuar compras superiores a 20 € nas nossas lojas físicas receberá de imediato um voucher impresso em papel reciclado como este, com tudo explicadinho (condições, descontos, validade, instruções de utilização):
.
.
.
.
Sabemos que vão gostar tanto quanto nós! Se quiserem saber mais ou provar um bocadinho do que vão receber, passem pelos mercados. Todos os sábados a Quinta vai até à cidade vender os seus produtos fresquinhos, nos Mercados Biológicos do Príncipe Real, Campo Pequeno e Cascais.
.
.
E vale mesmo a pena fazer uma visita em família a este mundo encantado que nos faz regressar às raízes e à natureza!
.

Terminamos quase como começámos este artigo: vem de longe a nossa admiração pela Luísa e por este lugar. Nesse dia da Terra, no ano passado, ao ouvi-la falar da história da Quinta e dos valores que a movem e que defende de forma apaixonada, essa admiração só se intensificou.

A revolução começa aqui, dentro de nós. Estamos juntos. “Biológico com (muito) amor”.

Até já!

Contactos e informações úteis:
.
.
Entregas de cabazes: Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cascais, Lisboa, Mafra, Oeiras, Palmela, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Sobral de Monte Agraço.
.
.

Deixar comentário

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.